Fraudes alimentares no Brasil: produtos cárneos e pescados

As fraudes alimentares no Brasil, em produtos cárneos, são uma das mais comuns. Ao lado de leite e azeite extravirgem, as carnes são alvos de diversos tipos de fraudes em nosso país. 

A operação Carne Fraca, da Polícia Federal, que ocorreu em 2017, é uma prova do tamanho e da existência de fraudes envolvendo produtos cárneos. Mas afinal, o que são essas fraudes e como evitar?  

Segundo legislação brasileira é fraude quando:

  • houver qualquer alteração ou modificação, seja ela total / parcial de qualquer elemento normal do produto, conforme os padrões já estabelecidos ou fórmula aprovadas pelo DIPOA;
  • houver qualquer manipulação para dar uma falsa impressão do produto, o que é chamado de maquiagem, no caso de produtos cárneos;
  • houver alteração de volume ou peso pela substituição, ou supressão de um, ou mais elementos de sua composição;
  • for utilizada substâncias proibidas para conservar o produto.

Com a modernização da indústria alimentícia, vem uma oferta maior de produtos. O consumo de alimentos industrializados também vem crescendo no Brasil, já que nosso país é um dos principais produtores no mundo. Isto torna a tarefa de verificar os produtos e coibir fraudes, ainda mais difícil.

As fraudes em alimentos podem ser dos mais diversos tipos e complexidades e podem ser classificadas como: fraudes por alteração, por adulteração, por falsificação ou por sofisticação. 

Vale lembrar que as fraudes existem há anos no Brasil, que podem ocorrer em qualquer parte do processo, na produção, transporte, venda, etc. 

Em carnes e pescados a fraude mais comum é a alteração ou substituição da matéria-prima original por outra de menor valor. Talvez você já tenha ouvido falar de casos envolvendo Picanha e coxão duro. Por isso é importante saber de quem você está comprando. 

Entre as principais fraudes de produtos cárneos, também está o que chamamos de maquiagem. Quando são usados aditivos para manter ou dar uma aparência fresca ao produto, escondendo possíveis indícios de deterioração da mesma.

Alguns destes produtos, usados para “conservar” e maquiar a carne, também são nocivos e não devem ser consumidos. É o caso, por exemplo, do nitrito de sódio.

Fraudes em produtos cárneos

Falando ainda das fraudes em produtos cárneos é comum a seguinte divisão: fraudes em produtos cozidos (mortadela, salsicha, presunto, conservas) e fraudes em carnes frescas e congeladas. 

No primeiro caso, dos produtos cozidos, as fraudes mais usuais são quanto a adição de miúdos em proporção maior do que permitido e adição de agente ligante, sendo o amido o mais comum. Também é comum a adição de nitrito de sódio.

Quando falamos das fraudes em carnes frescas e congeladas, as adições mais comuns são:

  • vitamina C - para maquiar e conservar a carne;
  • sulfito de sódio - para realçar o frescor e cor vermelha;
  • água - para aumentar o volume e peso.

Por isso, destacamos mais uma vez a importância da confiança na hora de comprar seus produtos. Lembrando que a Natural Meat tem o propósito de oferecer produtos justos. Por isso, contamos com uma equipe especializada para selecionar só as melhores carnes, sem fraudes, é claro. 

Fraudes alimentares: pescados

Um dos produtos cujo consumo mais cresceu na última década no Brasil, os pescados também têm sido cada vez mais alvo de fraudes. Sendo que a quantidade de água/gelo e a substituição de matéria-prima por uma de menor valor, são as mais comuns. 

Quando falamos de fraudes alimentares, não é só a prática criminosa, o fato de enganar, nem mesmo o consumo de substâncias nocivas usadas para conservar. É muito mais que isso. Existem uma série de impactos econômicos, sociais e ambientais. 

Basta ver, novamente, como caiu o consumo de carne do Brasil, depois  da operação Carne Fraca, que detectou além das fraudes, corrupção, poluição ambiental, irregularidades na emissão de certificados, entre outros. 

Cabe a indústria de Produtos de Origem Animal assegurar a autenticidade dos alimentos. Já o controle sanitário é dividido entre o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o MAPA, que fica a cargo de inspecionar os produtos de origem animal e a ANVISA, responsável pela regulamentação, controle e fiscalização.

O principal objetivo é que o alimento chegue do jeito certo na mesa do consumidor, inócuo. Missão que a Natural Meat também tem e cumpre agregando muito sabor.


Publicação Mais Antiga Publicação Mais Recente

Deixe um comentário

*os comentários serão verificados pela moderação antes de serem exibidos.